terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Holy Avenger e o Público Otaku Brasileiro

9 comentários

Olá a todos. Faz um tempo, não?
Quem me acompanha no Twitter sabe que eu ando bastante ocupada com meu outro projeto, o Kono-ai-Setsu, e por isso acabei deixando o Otame parado por uns tempos, mas graças a uma notícia, acabei decidindo vir postar aqui minha indignação. Sim, indignação.


Há poucos dias recebi uma notícia por email  (por que assino o Chunan e o MdOM, por que senão eu nunca leria - Preguiçosa) no Chuva de Nanquim que Holy Avenger, o mangá brasileiro de mais sucesso (além dele, só tem também o Combo Rangers), iria ser relançado....de novo (leia a reportagem aqui).


Eu preciso fazer uma "apresentação" para HA? Não... Todos conhecem, pelo menos de nome (como eu).


Incrível como a minha primeira reação ao relançamento (pela 3ª vez) de Holy Avenger foi como a da Mara (mais de oito mil). O ponto positivo (para a minha pessoa) é que eu não cheguei a ler nada da série e que eu poderia comprar, mas dificilmente o farei, a menos que este chegue muito facilmente em minha cidade e eu esteja endinheirada (os dois pontos são pouco prováveis de acontecerem).
Mas por que estou indignada?


Em meu raciocínio, como pretendente a mangaká (pffff), é de que mais uma vez o país se estagna e se agarra nos "velhos clássicos". Os otakus brasileiros são assim. Não adianta mudar. É exatamente como a tirinha do Bouken Ni que finalizei para a Mazaki (leia aqui). Essa idolatria aos velhos ícones tem uma função simples: Trazer a nostalgia dos marmanjões a tona, lembrar que existiu um único mangá no Brasil que agradou esse público chato e complicado de agradar, e (a pior função) impedir novos veículos e títulos de ganharem sua chance. Sim, essa é a mais pura verdade.


Não adianta fazer birra nos comentários, a verdade é que o otaku brasileiro é chato. Eles não querem animes na TV por que irá ter uma dublagem (segundo eles, "entendedores") ruim, não querem mangás venham em "certas" editoras por que terá tradução que não os agrada, não querem mangás feitos por artistas consagrados e conhecidos do público geral (não otaku) por que irá "difamar" a imagem idolatrada que eles tem de mangá, mesmo que esse tenha uma saga inteira parodiando um mangá que todos (esses mesmos "entendedores") idolatram e que o grande público poderia (provavelmente) passar a conhecer a partir dessa referência. Imagina, se eu conheço pessoas que não gostam de certos fansubs por que a legenda tá "errada", ou por que não traz as séries que as agrada.
Poxa, tenham noção, otakinhos. Fansubs trabalham de graça, fazem as coisas pra ajudar VOCÊ, que mesquinhamente fala mal do trabalho deles. As empresas que traduzem os mangás, trazem mangás que as vezes nem conseguem pegar lucro. Sim, há uma falta de planejamento na maioria, mas isso não quer dizer que eles queiram fazer um trabalho porco, apenas estão trazendo na qualidade que pode "agradar" vocês (nunca irão agradar um público tão implicante e birrento), e que eles possam sobreviver, por que, afinal, os revoltadinhos que criticam são aqueles que começaram uma campanha bem estúpida de não comprar mangás de uma única editora, e que daqui a pouco podem acabar ajudando a fechar as portas de uma das editoras pioneiras a trazer (em grande quantidade) os mangás clássicos que o pessoalzinho adora reverenciar.


O mais engraçado, é que esse pessoal que fala mal das traduções dos mangás ou das obras brasileiras, não vai comprar a versão nova de Holy Avenger. Vai vibrar, dar gritinhos de felicidade, mas vai se preocupar mais em comprar os mangás que não gosta só pra criticar as editoras (pelo menos se eles comprarem vão dar lucro pras empresas) do que comprar HA. Infelizmente, duvido que esse relançamento chegar ao último volume. A realidade é que o público otaku não é tão atencioso e fiel quanto o público de comics, que tem uma infinidade de séries sendo lançadas no Brasil. Quem é que se arriscaria a trazer algo incerto de sucesso para um público tão birrento como o otaku? Me desculpem, não é falta de fé, nem praga, apenas o meu modo de enxergar o otaku brasileiro, que sempre (me desculpem) me desaponta.
Depois desse depoimento sincero até demais (e de perder os poucos otakus seguiam meu trabalho), vou deixar espaço para os comentários me xingarem.


E sim, essa é a minha visão sobre os otakus e muitos da blogosfera otaku. Eu posso gostar das pessoas que fazem esses blogs, mas não gosto de seu "trabalho" (se pelo menos eles fossem críticos profissionais eu não ficaria tão indignada). Não estou generalizando e nem pensando em alguém específico, mas sempre que eu leio um blog otaku, eu acabo ficando braba com alguma bobagem (ao meu ver) que falam.


Obrigado por lerem meu desabafo.


(Eu gostaria de ter montado um template novo pro Otame antes de voltar a atualiza-lo, mas acabei sendo levada pelo meu instinto "assassino". Sorry =P)